DESCULPADERIA!!!

Estou me tornando um pedidor profissional de desculpas. Mas eu sei que ando fazendo muitas cagadas. As coisas têm acontecido rápido e eu ainda estou meio perdido mesmo. A última foi com o MSN. Sou muito tranquilo e adoro o contato com pessoas que gostam da banda. Por causa disso mantinha meu MSN disponível aqui no blog. Acontece que comecei a receber mais de 30 convites por dia pra add. E eu aceitei todos. Me perdi ne. Passei a não atender direito ninguém. E ví que acabei magoando gente demais acho. Eu acho feio sair bloqueando, mas sei que todo mundo faz isso. Eu procurei não fazer, mas tornei minha entrada no messenger inviável. Sobrou pra quem??? família, banda e amigos, pra variar, ne! Todo mundo reclamou que eu não falo mais com eles, que eu não tenho tempo pra falar sobre qualquer coisa. E eu estou numa fase bem produtiva, procurando escrever músicas, textos pro stand up, estamos ensaiando novas músicas pro show. Tudo isso pesa. Portanto peço desculpas à todos aqueles com quem conversei no MSN durante todo o tempo. Pra não ser insensível, e ter que "escolher", decidi que estou me desfazendo daquele MSN antigo. Estou fazendo um novo somente pra família, banda e amigos mais próximos. Eu queria muito que vocês entendessem que não é distância, ou "estrelismo", mas preciso privilegiar as pessoas que sempre me apoiam. 
Eu andei sumido aqui do blog e acho que todos entenderam que eu precisava de um tempo. Agora to bem. Rs.  Meus amigos tão mais felizes, fui visitar a família e reatei o namoro. Enfim, a mesma coisa de sempre ne?
Agora volto a escrever com mais frequência, prometo (apesar de prometer isso em vários posts).

-------------------------

E eu preciso tocar nesse assunto também triste. O Michael se foi. E dessa vez eu juro que não foi culpa minha. Mas sei lá, se precisar peço desculpas também. Só que fiquei realmente triste. Não só porque se trata do maior ícone da minha geração, mas porque eu era muito fã dele. E eu fiz exatamente a trajetória típica do fã. Eu o conheci em thriller (apesar de hoje eu achar que o melhor disco dele é o Off the Wall, anterior à fase branca). Eu o imitei, pus a mão no saco e dei chutinhos e gritinhos. Eu o reverenciei. Eu comprei os discos, as revistas, posters. Eu tinha luvas que brilhavam. Eu usava sapato preto com meia branca (pra desespero da minha mãe). Eu tentava em vão fazer o moonwalk. Nas festinhas em que minha irmã dançava em rodinhas individualistas, eu a matava de vergonha imitando o Michael. Eu o consumi. Eu queria saber da vida dele, queria saber o que ele comia, como se chamava aquele tigre do encarte, como ele podia usar ray-ban e eu não. Eu pus paparazzi atrás dele. Eu queria que ele viesse aqui em casa, eu queria o MSN dele. Eu comprei revistas de música e de fofoca. Queria saber sobre o próximo álbum e a próxima plástica. Qual era a matiz da vez. Queria saber em qual escândalo ele se metera. Com qual criança havia dormido, e eu acho que ele realmente dormiu. E só dormiu. Sei que muita gente acha o mesmo que eu, e muita gente pode me achar inocente por achar isso. Mas eu sou cria dele, sou inocente mesmo. Eu queria saber como é Neverland. Queria saber como ele dorme dentro de uma câmara. Eu incentivei todos o que colaram nele e o tornaram um louco. Eu consumi todas as reportagens que o prejudicaram e o isolaram, fazendo-o perder a relação com o mundo, com a música inclusive. Eu o tirei do mundo. Se não pode ser meu amigo, não vai ser de mais ninguém. Ele foi ao tribunal e eu ri da sua cara metamorficamente dilacerada. Eu senti vergonha, na adolescência, de tê-lo imitado um dia. Eu o cuspi. Eu xinguei e fiz piadas. Até o dia em que o engoli de volta. Quando lançaram o aparelho de dvd, o primeiro que tive a oportunidade de ver, foi de um show dele. E Babei. Ele tinha voltado pra mim, ou eu pra ele. Me vi grandinho, em frente ao espelho com a mão no saco e a outra de lado, meio homem-aranha. E voltei a consumi-lo. Ninguém sente alguma coisa por ele. Todos sentem tudo. Se você não gosta, então você o abomina, e pra uma pessoa como eu, se você o abomina, você abomina a música, você abomina a arte. Eu fui intenso demais com ele. Eu o quis demais. Eu o procurei demais. Eu matei Michael Jackson. Desculpa!

Só uma coisinha antes de ir. Eu comprei há uns 15 dias, um dvd, na promoção das americanas, por 14,99. Era do Michael, numa apresentação ao vivo. Não cheguei a abrí-lo e poucos dias depois o Michael morreu. Cheguei agora no flat não consigo abrir o dvd. Me deu uma tristeza. Não vou abrir, por enquanto. Eu já o consumi demais. Ainda tenho meu thriller vinil pra gastar.

Aliás, duas coisinhas. A Pepsi é tão ruim, que quando patrocinava o Michael, conseguiu queimar o cara, literalmente. Lá vou eu ter que me retratar com a Pepsi!!!

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Centro-Oeste, GOIANIA, SETOR BUENO, Homem, de 26 a 35 anos

 
Visitante número: