CADE O GLAMOUR????

Muita gente tem me perguntado o que mudou depois do Faustão. Vou abrir o jogo e dizer tudo, tudo. Não mudou nada. Na verdade o que muda é a perspectiva de quem lhe vê. Quem já nos conhecia acha que estamos famosos. Mas pera ai! Pra ficar famoso é preciso se tornar mais conhecido. Quem me acha famoso já me conhecia antes. Não dá pra entender. Alguns amigos reapareceram, outros desapareceram. Meus melhores amigos não me ligam mais. Falei com um deles que disse: Ah, não te liguei porque achei que ia estar ocupado. Daí falo com o cara e ele me pergunta como anda a gravadora, o escritório de vendas de show. Caramba! o Faustão te distanciou de mim, velho???? Me pergunta quem eu to comendo, po! Vai que um dia eu topo a Alinne Moraes, hein hein? pra quem eu vou contar? A principal mudança talvez tenha sido o fato de que me tornei mais mentiroso. Eu explico. As pessoas vão ficando cada vez mais íntimas, até pela natureza do nosso trabalho. E eu sou educadinho porque assim mamãe me ensinou. Mas me aparece cada uma. E eu sou obrigado a tratar com delicadeza e respeito. Se um dia sou acometido pelo mal que assolou o Jim Carrey em "O mentiroso", eu to ferrado.
- E aí Fabrício. Como tá a Pedra Letiça? cara, eu to com uma música aqui que você tem que cantar no seu show. Fui eu que fiz, ouve só! É a cara da sua banda.
- Que bosta é essa? letra sem graça, música escrota. Muito me preocupa você achar que esse lixo tem a cara da minha banda. 

- e aí Capota? você que é o cantor do pé da Letícia ne? Amanha vamo fazê um churrasquinho pá nóis lá na xácra! Só nóis e as gata! Bora lá tocar um violãozim???
- Nunca! Você quer é que eu toque de graça pra você fazer moral com esse bando de baranga. Ainda sei que a carne vai tá uma merda e você vai acabar me servindo Pepsi.

- Faaaaala Fernandão! Você é aquele vocalista que canta beber, cair, levantar, ne?
- Sim sou eu. E também canto a dança do quadrado, pó pará com o pó, e todas as outras músicas que você viu na internet. Além disso o Jeremias sou eu também. Eu falo sanduiche-iche, cacete de agulha, dou um golpe do sub-zero brasileiro e cantei no British Awards. Só que pra cantar lá eu fiz aula de canto e engordei um pouquinho. O cabelo é meu mesmo!

- Fábio? vocalista das barangas?
- Não senhora! Fábio de Melo padre e marqueteiro.

- E aí Compota. Manda um abraço pra mim lá no show de hoje a noite?
- Voca acha mesmo, companheiro, que no meio daquele tanto de gostosa, eu escolheria justamente você pra mandar um abraço????

- Faaaala Cambeta. tá rico agora hein???
- Tô viu! esse carro mil, é pra disfarçar. Eu não tenho cartão de crédito é por opção mesmo, porque tenho grana pra pagar tudo à vista. Esse x-burguer que eu to comendo é pra matar a saudade, caviar às vezes cansa o nosso paladar. E essa roupa velha aqui é coisa de artista, sabe como é. A gente pode ser excêntrico e usar camiseta furada. Aliás a cueca também tem um buraco grande, pode perguntar pra sua irmã!

- Mas hein, menino! Quando é que vai ter showzinho da sua bandinha?
- Minha senhora. Eu ensopo uma camiseta de suor, fico com os dedos latejando, me esguelo (que falta me faz o trema!), dou o sangue se preciso. E você chama a minha banda de bandinha e meu show de showzinho? De certo a vida da senhora é grandona, e produtivona. Deve receber um cachezinho, pra entrar pro quartinho, com um clientezinho, baixar a calcinha e dar essa coisinha mixuruquinha aí!

- E aí Cowboyta. Toca um modão aí pá nóis!
- Você faz o que dá vida, amigo?
- sou fazendeiro. Crio gado.
- então podia parir um bezerro aí pra mim. 
- Uai, vai lá na fazenda que te mostro como que é criar gado.
- Uai, vai ao show que te mostro como eu toco.

--------

E por último vou contar um pequeno caso. Fizemos um show em Ilha Solteira. O Show foi muuuuuito bom. Adoramos, mas o melhor veio depois. Os meninos iam voltar com a equipe técnica pra Goiânia. Eu estava vindo pra São Paulo, mas iria fazer uma parada em Presidente Prudente pra visitar amigos. Enfim, precisava pegar um busão de Ilha Solteira até lá. O Ônibus saia as 5:30 da manhã. Perfeito o horário. Acabou o show, recebemos uma galera no camarim e já emendei pra rodóviária. Mas ao chegar lá descobri que tinha que pegar um baú até Andradina e de lá um outro pra Presidente Prudente. O ônibus que saia de Ilha Solteira pra Andradina não é um ônibus de viagem. É um coletivo normal mesmo. E fuleiro. Entrei com minha mala e uma mochila, sentei lá no fundo e logo entraram 3 adolescentes que eu pareciam estar no show. Me olharam, olharam de novo, mas não acreditavam que era eu mesmo. Depois de botar 5.000 pessoas pra pular, animadíssimo, não podia ser o mesmo cara, cochilando num banco de busão. Ainda acabo com essa falta de glamour!!!!

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Centro-Oeste, GOIANIA, SETOR BUENO, Homem, de 26 a 35 anos

 
Visitante número: